sexta-feira, 17 de junho de 2016

Comprinhas Portugal 2016 - I

Viver em dois países diferentes tem as suas vantagens, mas também algumas desvantagens, nomeadamente, na altura de fazer as malas. Quando viajamos, nós mulheres temos o hábito de levar toda a casa atrás, mesmo que a viajem seja por poucos dias, então imaginem quando vão por um longo período de tempo, como é o meu caso, e só podem transportar 23 Kg. É complicado! Tão complicado que nesta minha última viagem, dado o excesso de peso, tive de optar por ter roupa em ambos os lados, de maneira a facilitar mais as coisas. Eu achei que poderia prescindir de algumas peças, no entanto, quando cheguei a Portugal percebi que estava totalmente enganada e comprar roupa passou a ser uma prioridade. E sabem aquele momento em que muita da nossa roupa decide ir para a reforma ao mesmo tempo? Pois, isso foi mais um factor que me levou às compras. Portanto, dadas as circunstâncias, estas foram as minhas primeiras aquisições de Abril e Maio.

Com os meus treinos diários, a roupa de treino é algo essencial no meu guarda-roupa e era também o que me estava mais em falta. Adquiri então duas calças: umas de corte regular da Domyo (Decathlon) e umas de corrida da Outpace (SportZone). Na SportZone comprei diversas blusas, nomeadamente, uma cor de rosa da Doone e três da Berg, numa promoção de leve 3 pague 2. Como os meus sutiãs de desporto já não estavam a conferir o suporte necessário para um treino intenso, decidi apostar num novo e de melhor qualidade. Optei pela Triumph, no entanto, é difícil conseguir um sutiã desta marca, pois eu tenho as costas muito estreitas e nunca há número para mim. Como seria de esperar, nenhum dos sutiãs desportivos me servia, no entanto, graças ao atendimento excelente que tive, conseguiram arranjar-me um à minha medida e apropriado para a ocasião. Apesar do Urban Minimizer ser um redutor, ele dá o suporte e conforto perfeitos, mesmo para um treino de maior intensidade. Da Decathlon ofereceram-me um relógio desportivo da Geonate, que eu adoro e que é perfeito para as minhas corridas. O meu namorado decidiu fazer uma surpresa e enviou-me de África do Sul duas peças de roupa em bambo orgânico da Boody - uma blusa e umas meias. Eu adoro o conceito desta marca e a roupa é super confortável e macia, no futuro, pretendo adquirir mais umas peças. E, finalmente, adquiri uns ténis coloridos e étnicos da KangaROOS, uma das minhas marcas preferidas de calçado. 

Da Stradivarius ofereceram-me umas calças azuis e uma blusa em renda, que eu usei para a comunhão do meu primo. Como gostei muito das calças, acabei por comprar umas iguais em preto. As meias e os calções de pijama comprei na Fifty Factory, um outlet com diversas marcas de roupa, nomeadamente Women'secret e Springfield. Apesar de terem imensas coisas giras e baratas, a falta de números pequenos dificulta a sua compra, o que é uma pena. Numa visita à minha loja hippie preferida, recebi a triste notícia de que ia fechar, então aproveitei para comprar algumas coisinhas, nomeadamente: um casaco cinza e dourado em malha pequena, uma t-shirt com um lindo elefante colorido e ainda um vestido comprido. O vestido é a minha peça preferida, é comprido de costas abertas e possui uma masala grande e colorida de cada lado. Lembram-se da mala da Desigual que estava na minha wishlist? Acabei por não gostar dela ao vivo, por ser demasiado grande, mas comprei uma da Gabol, uma marca espanhola da mesma fábrica da Desigual e com modelos igualmente bonitos e coloridos. Na Casa comprei ainda um saco/mala de estilo étnico que, apesar de ser muito bonito não é nada prático.

O que acharam da minha selecção? 
Também são daquelas pessoas que levam imensas coisas quando vão viajar?

terça-feira, 14 de junho de 2016

Cinco Anos de Essência

Já lá vão cinco belos anos! Parabéns PurEssence!

Obrigada a todos aqueles que fazem parte do PurEssence, obrigada pela vossa presença constante e obrigada por confiarem no meu trabalho. Este espaço não seria o mesmo sem vocês leitores e é graças a vocês que após cinco anos ainda cá estamos. Por isso, hoje não só o PurEssence está de parabéns, mas sim todos nós! Muito obrigada de coração ❤

quarta-feira, 8 de junho de 2016

Wishlist ✿ Copo Menstrual Lunette

Desde que me tornei vegan e adoptei um estilo de vida mais natural, passei a usar apenas pensos e tampões em algodão orgânico. Os pensos e tampões convencionais contêm substâncias químicas nocivas que podem ser absorvidas pela mucosa vaginal e causar sérios problemas de saúde, leiam mais aqui. Os produtos de higiene íntima em algodão orgânico são mais saudáveis e amigos do ambiente, no entanto, continuam a ser um factor de poluição e não são muito amigos da nossa carteira, pois são mais caros que os produtos convencionais. Há um ano atrás, durante a minha segunda estadia em África do Sul, foi-me apresentado o copo menstrual Lunette e explicado todo o seu conceito. Este copo tem imensas vantagens e, se bem tratado, pode durar até dez anos, o que faz dele um excelente investimento. Apesar de na altura ter ficado muito interessada, acabei por não o comprar, com receio de não me dar bem com ele.

Foi a pensar nisso que a Lunette lançou a campanha "Conquistada ou reembolsada", que irá decorrer durante todo o mês de Junho. na compra de um Lunette, temos 90 dias para o experimentar e, caso não fiquemos totalmente satisfeitas, é reembolsado o seu valor. Todos os artigos devolvidos serão destruídos pela Lunette. Interessadas? Eu estou muito!! Podem adquirir o vosso Lunette através da loja online Círculo Bio ou Pegada Verde. A Pegada Verde está com portes grátis na compra de um Lunette e possui diferentes edições - Transparente, Selene (azul), Cynthia (púrpura), Áine (coral) e Lucia (amarelo). Para mais informações acerca do Lunette visitem o site da marca.

Têm curiosidade em experimentar o Lunette?
Vão aproveitar a campanha?

domingo, 15 de maio de 2016

Love Tea ❤ - As Minhas Marcas de Chá Orgânico Preferidas

Hoje inicio uma nova rubrica intitulada "Love Tea ", para todos aqueles que adoram chá e que querem saber um pouco mais acerca dos mesmos. Sempre adorei beber chá e esse foi um hábito que não se alterou com a minha mudança de estilo de vida, no entanto, passei a optar apenas por marcas orgânicas. A Lipton sempre foi a minha marca preferida e eu ficava muito entusiasmada de cada vez que saiam sabores novos. Hoje em dia, a coisa já não é assim, pois aprendi que um bom chá não deve conter aromas artificiais, deve ser natural e o mais puro possível. Encontrei essa pureza nos chás orgânicos e são várias as marcas que conquistaram e continuam a conquistar os meus sentidos. Aqui ficam elas:

A English Tea Shop é uma marca britânica que tem como missão espalhar o seu amor pelo chá através dos seus produtos. A marca possui uma vasta gama de aromas, capazes de despertar todos os sentidos e ideais para qualquer tempo do dia. Esta foi a primeira marca que conheci e gosto imenso dela pela variedade e combinação de sabores que possui. Encontram à venda no Jumbo. 

A Clipper surgio em 1984 por dois fanáticos de chá, Mike e Lorena, impulsionados por mudar o mundo do chá para sempre. A marca é guiada pelo mantra: "É o que está no interior que conta" e, por isso, ela centra-se obsessivamente sobre o que está dentro do saco. Daí resulta uma variedade de chás mais brilhantes, ousados e de melhor degustação. Face à preocupação de melhorar a vida dos trabalhadores nas plantações de chá, em 1994 a marca tornou-se a primeira companhia de chá Fairtrade dos Estados Unidos, tendo ganho até à actualidade vários prémios "Great Taste", o último em 2015. Sem aromas artificiais, a Clipper oferece uma gama de chás de qualidade superior, que pretendem surpreender e encantar. Esta é uma marca que existe tanto em Portugal como em África do Sul, no entanto, a variedade disponível não é muita. Bebo muitas vezes o chá de urtiga da marca, que é perfeito para as dores de estômago. Podem encontrá-la à venda em alguns hipermercados, como o Continente e o Intermarché.

Yogi Tea nasceu nos anos 80 e desde então que é um pioneiro da Ayurveda, elaborando chás de ervas e especiarias utilizando somente métodos de agricultura biológica. A marca defende uma abordagem natural e sustentável para a agricultura e acredita que a agricultura biológica ajuda a preservar a beleza, fertilidade e vitalidade da Terra, protegendo o solo, a água e o ar e preservando a diversidade única de espécies da Terra. Todos os produtos da Yogi Tea apresentam o logótipo biológico da UE, garantindo que os seus chás são produzidos com ervas e especiarias de alta qualidade e em agricultura biológica. Os sabores e aromas desta marca são únicos, muito intensos e puros e, realmente se que é uma marca cuidada e de alta qualidade, que só utiliza o que a Natureza tem de melhor. Outra coisa que adoro, são as mensagens inspiradoras que cada saqueta contém. Encontram esta marca em qualquer ervanária.
A Higher Living é também uma marca britânica, tendo sido eleita este ano como "The queen's awards for enterprise: international trade 2016". A  marca surgiu em 1971 e, desde então, que utiliza os melhores ingredientes naturais e orgânicos para fazer um chá de sabor vibrante que eleva o corpo, a mente e o espírito. Todas as embalagens são totalmente recicláveis e a marca inclusive possui uma gama totalmente biodegradável. A gama original possui 23 combinações deliciosas e inspiradoras, 100% naturais e com ervas orgânicas certificadas, cada uma adequada a diferentes ocasiões. Esta é minha opção preferida quando estou em África do Sul, infelizmente, não existe em Portugal mas, se um dia forem a Londres ou a qualquer outro sítio onde haja, aconselho-vos a experimentar. 

Conhecem alguma destas marcas?  Têm curiosidade em experimentar alguma?
 Conhecem outras marcas orgânicas? Qual a vossa marca de chá preferida?

quinta-feira, 12 de maio de 2016

Review: Marula Shampoo & Baobab Conditioner Africa Organics

Hoje trago-vos uma review de dois produtinhos da Africa Organics, a última marca africana que experimentei a nível de produtos capilares. Terá esta superado a minha adorada Enchantrix?

Segundo a Africa Organics:

O champô de Marula é um champô para o dia-a-dia e adequado ao cabelo normal ou oleoso. Utilizamos agentes de limpeza naturais e biodegradáveis que não danificam o teu cabelo e, ainda, adicionamos Rooibos como um antioxidante e Marula para ajudar a prevenir as pontas espigadas. O óleo de Menta dá ao cabelo uma fragrância fresca e desperta os sentidos. 100% do total de ingredientes são de origem natural, 97% dos ingredientes vegetais são de agricultura biológica e 20% do total de ingredientes são de agricultura biológica.

Se tu tens cabelo muito seco ou ondulado, então vais adorar o condicionador de Baobab, cujo extracto ajuda a condicionar o teu cabelo, juntamente com os antioxidantes provenientes do Rooibos. Este condicionador não se espalha através do cabelo como os produtos convencionais, mas o resultado final é grande. 100% do total de ingredientes são de origem natural, 97% dos ingredientes vegetais são de agricultura biológica e 36% do total de ingredientes são de agricultura biológica.

Modo de Utilização 
Massajar o champô no cabelo e couro cabeludo molhados e enxaguar. Aplicar, de seguida, o condicionador, insistindo nas pontas e áreas mais danificadas. Para melhores resultados utilizar em conjunto o champô e condicionador da mesma linha.

A minha opinião:
A Africa Organics foi a terceira e última marca africana que experimentei a nível de produtos capilares. Se bem se lembram, a marca que utilizei antes foi a EarthSap, cujo champô e condicionador (review) me deixaram o cabelo seco, sem brilho e sem volume. Resolvi facilmente o problema retomando ao champô da Enchantrix (review) mas, como eu queria experimentar outras marcas e como ainda não tinha encontrado o condicionador perfeito, decidi apostar na Africa Organics que, apesar de possuir uma lista de ingredientes maior que as outras duas marcas anteriores, tinha a vantagem de ser certificada pela Ecocert, além de ser das marcas naturais mais reconhecidas em Joanesburgo. Como a marca possui linhas diferentes adaptadas às necessidades de cada cabelo, optei pelo champô de Marula para cabelo normal a oleoso e pelo condicionador de Baobab para cabelos muito secos e stressados. Na primeira vez que usei o champô fiquei maravilhada com o aroma fresco a menta e com a sua textura translucida alaranjada, muito diferente do que estava acostumada a ver em produtos naturais. Se não fosse certificado pela Ecocert, um selo que me garante que o produto não possui corantes nem fragrâncias artificiais, eu não acreditava que era natural. O champô lava muito bem e faz uma espuma ligeira, mais abundante na segunda passagem, mas tem o senão de deixar o cabelo extremamente seco, tipo palha, após a lavagem. O cabelo fica tão seco que chega a ser desconfortável, sendo essencial o uso de um condicionador. 

Tal como o champô, a textura e aroma do condicionador também me surpreenderam. A textura parece tal e qual um creme para bolos, com um aroma cítrico abaunilhado delicioso, que chega mesmo a dar vontade de comer. Infelizmente, não foi dos mais hidratantes e nem desembaraça o cabelo, não conferindo suavidade imediata, nem mesmo decorridos alguns minutos. Não tenho por hábito desembaraçar o cabelo no banho mas, com este produto, esta foi uma regra a cumprir, pois após o banho tornava-se numa tarefa muito difícil e dolorosa. Estreei estes dois produtos em África do Sul e, os resultados foram os que descrevi, sendo que não fiquei muito satisfeita com eles, no entanto, só os terminei em Portugal. Quando os utilizei em Portugal os resultados foram diferentes e fiquei com melhor impressão dos mesmos, o champô não me deixou o cabelo tão seco e o condicionador hidratou mais eficazmente as minhas pontas. Isto fez-me ficar com dúvidas quanto à minha opinião sobre eles, mas penso que o meu cabelo tem maiores exigências quando estou em África do Sul, dado o clima de lá. As embalagens são iguais, com um design simples e clean. Na frente é visível o selo da Ecocert e atrás possui mais quatro selos - Vegan, Africa Friendly, Sulphate Free e PhytoTrade Africa Accredited Partner. A abertura que a embalagem do condicionador possui não é das melhores, pois quando o produto se encontra no fim torna-se mais difícil de sair. A validade após abertura é de quatro meses em ambos os produtos.

Análise de ingredientes:  

Champô Marula
Water (0), aloe barbadensis (vera) leaf gel (0)*, decyl glucoside (1), sodium cocoyl glutamate (1), ethanol (2), glycerin (2), coco-glucoside (1), glyceryl oleate (1), xanthan gum (1), inulin (1)*, sclerocarya birrea (marula) seed oil (0), citrus sinensis (orange) peel oil (0)*, adansonia digitata (baobab) fruit powderextract (0)*, PCA glyceryl oleate (1), sodium phytate (1), aspalathus linearis (rooibos) leaf extract (0)*, citric acid (2), mentha piperita (peppermint) oil (0)*, tocopherol (1), mentha spicata (spearmint) leaf oil (0)*, linalool (5)**, limonene (2)**, geraniol (7)**.
* Ingredientes provenientes de agricultura biológica
** Componentes derivados dos óleos essenciais naturais

Condicionador Baobab
Water (0), aloe barbadensis (vera) leaf gel (0)*, cocos nucifera (coconut) oil (0)*, cetearyl alcohol (1), ethanol (2), glyceryl stearate (1), glycerin (2), isoamyl laurate (1), citrus sinensis (orange) peel oil (0)*, coco-glucoside (1), glyceryl oleate (1), cetyl alcohol (1), adansonia digitata (baobab) oil (0), inulin (1)*, xanthan gum (1), lecithin (3-4), aspalathus linearis (rooibos) leaf extract (0)*, PCA glyceryl oleate (1), hydrolyzed wheat protein (1), adansonia digitata (baobab) fruit powder (0)*, citric acid (2), tocopherol (1), vanilla planifolia extract (0), linalool (5)**, limonene (2)**, geraniol (7)**.
* Ingredientes provenientes de agricultura biológica
** Componentes derivados dos óleos essenciais naturais

Como podem ver, estas fórmulas quando comparadas com os produtos da Enchantrix e EarthSap, são muito mais extensas e não tão naturais. O champô possui um total de 23 ingredientes, dos quais apenas 8 são naturais e 15 sintéticos seguros. Já o condicionador possui 26 ingredientes, dos quais apenas 8 são naturais e 18 sintéticos seguros. Apesar de ambos possuírem mais ingredientes sintéticos que naturais, estes não possuem qualquer nocividade para o organismo, apenas tenho a destacar o lecithin. O linalool e o geraniol são ingredientes que ocorrem naturalmente a partir dos óleos essenciais utilizados. Estes ingredientes, por lei têm de estar listados nos ingredientes do produto, para que possam ser identificados e usados com segurança. Tenho a destacar também o hydrolyzed wheat protein (proteína de trigo hidrolizada) no condicionador, o que significa que possui glúten. A marca possui os selos de certificação que nos garantem que os produtos são vegan e orgânicos. Para uma informação mais detalhada acerca dos ingredientes, consultar aqui

Embalagem: 210 ml Comprar: Lojas naturais de Joanesburgo  Preço: R49,90

Nota Champô: 7/10

Nota Condicionador: 7/10

Conclusão:
Tanto o champô como o condicionador possuem texturas e aromas excepcionais, as melhores que já encontrei em produtos naturais, no entanto, tive dúvidas relativamente à sua eficácia. As primeiras impressões que tive foram negativas, pois o champô não conferia suavidade e conforto ao meu cabelo e o condicionador não hidratava o suficiente as minhas pontas secas e nem desembaraçava o meu cabelo. No entanto, obtive melhores resultados quando os usei em Portugal e a minha opinião mudou. Por este motivo, estes são dois produtos que eu gostaria de voltar a testar, no entanto, as suas fórmulas não me cativam a isso.